• Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Criação de uma Escola Nacional de Comunicação Pública

Brasil - Joseti Marques, Ouvidora da EBC e coordenadora do projeto de criação, em parceria com a Unesco, da Escola Nacional de Comunicação Pública, apresentou ao Conselho Curador da EBC, em reunião realizada em 14 de maio de 2014, uma proposta inicial para o funcionamento do órgão. “Pensamos essa escola pra muito além da capacitação profissional dos funcionários da EBC, mas como algo que vai ser relevante para outros meios e no cenário da comunicação no Brasil”, disse.

“Quando realizamos os fóruns de TV pública há alguns anos, uma das demandas era um centro de capacitação de comunicação pública. Acredito mesmo que ele deve ser encabeçado pela EBC”, lembrou Evelin Maciel, conselheira.

Segundo Joseti, a EBC é hoje a empresa de maior expertise em comunicação pública do país, por isso, pode criar, a partir de sua experiência, um centro de capacitação. Seriam realizados cursos para multiplicar o conhecimento já adquirido na prática de seus profissionais; um centro de pesquisas sobre comunicação pública, formado por especialistas, mestres e doutores da casa; e uma central de negócios para relacionamento com outros países. A Escola seria auto sustentável, modelo que ainda está em fase de estudo pela Unesco.

Os conselheiros pontuaram a necessidade do projeto ser ampliado, incluindo a contribuição de universidades confessionais e privadas, dos parceiros de rede da EBC, de movimentos sociais e entidades da sociedade civil, de produtores de conteúdo colaborativo e comunitário, e de veículos públicos de outros países, especialmente da América Latina.

“De forma geral, gostei muito da proposta, mas se formos pensar em um projeto de comunicação pública, achei muito fechada em si mesma. Os acadêmicos têm seu lugar de pesquisa, mas a sociedade também tem muito o que acrescentar”, defendeu Rosane Bertotti, conselheira. A colega e presidenta do colegiado nesta reunião, Rita Freire, concordou: “conhecimento não é só fruto de estudo, mas de experiência, e é isso que as comunidades vão trazer para a Escola”.

“Acho que um projeto desse tipo, desde o inicio tem que ampliar as parcerias porque se você chegar a um nível de maturidade e só depois abrir, as pessoas não vão querer participar, vai parecer prato feito”, disse o conselheiro Daniel Aarão.

O pleno aprovou, então, uma resolução que determinou a reescrita do projeto, incluindo novas formas de participação da sociedade na construção da Escola, para uma posterior reapresentação ao Conselho.

A conselheira Ima Vieira ficou com dúvidas em relaçào à institucionalização da Escola: “A ideia é que a EBC, com seus funcionários, formassem o corpo de professores? Legalmente, os empregados podem acumular duas funções? Penso que uma outra opção seria a Empresa fazer uma parceria com a Capes e outros institutos de pesquisa”, explicou a conselheira.

Murilo Ramos questionou, ainda, se a Escola ofereceria graus de pós-graduação. “Se você não der o grau, qual a vantagem de se fazer isso? Senão seria apenas uma capacitação interna, o que não me parece ser a intenção. Além disso, considero o grau importante porque a universidade não vai atender sozinha a demanda da radiodifusão pública”, disse.

Segundo Nelson Breve, diretor-presidente da EBC, o plano estratégico da Empresa prevê duas estruturas diferentes: uma de capacitação corporativa e a Escola. “Precisamos fazer pro nosso corpo funcional primeiramente, porque estamos devendo isso a eles”, afirmou.

Relatório da Ouvidoria

O relatório da Ouvidoria  também foi apresentado pela ouvidora-geral da EBC, Joseti Marques. Os conselheiros destacaram a qualidade do texto, que tem se apresentado mais propositivo. “Todos os relatórios da Ouvidoria são muito bem feitos, eu leio com muita atenção e considero um verdadeiro trabalho de controle de qualidade dentro da EBC”, elogiou José Martins, conselheiro.

Neste mês, o documento traz a análise de uma transmissão de jogo da Série C, pela TV Brasil, cujos comentários dos profissionais foram contrários aos princípios de pluralidade e diversidade da comunicação pública. “O demandante paraíbano tem razão. A TV Brasil tem uma visão muito carioca do futebol e o Brasil hoje é um pouco mais amplo que o Rio de Janeiro, mas os apresentadores só pensam no futebol carioca, especialmente o programa de domingo”, comentou Cláudio Lembro, conselheiro.

Sobre as rádios EBC, o relatório destaca erros na cobertura jornalística e na linguagem de apresentadores. Além disso, questiona títulos, o desaparecimento de uma editoria e a falta de fotografias nas matérias da Agência Brasil. “Diante disso, espero que não sejamos refratários em relação ao relatório, mas que o usemos pra repensar nossa prática”, pediu Eliane Gonçalves, conselheira.

A equipe da Ouvidoria ressaltou, ainda, a pouca visibilidade dada pela Empresa aos canais de acesso do cidadão ao órgão. “Sumimos do Portal EBC. É muito difícil referenciar a Ouvidoria nos veículos porque não temos um link de acesso direto. E a nossa coluna saiu da página da Agência Brasil, com a mudança do site”, disse a ouvidora.

Em função disso, o colegiado recomendou que o acesso ao endereço da Ouvidoria fosse mudado e que esta ganhasse lugar de destaque nos sites da Empresa. Rita Freire, vice-presidenta do Conselho, apontou também a necessidade de se simplificar o formulário exigido para o envio de demandas ao órgão.

O conselheiro José Martins sugeriu, para o encaminhamento de soluções para os problemas apontados no documento, que fosse criado um grupo, dentro da EBC, de controle das demandas. “É preciso estabelecer metas de resolução. Esse relatório não pode se perder, senão, não vale nada”, falou.

O pleno decidiu, porém, pela criação de um Grupo de Trabalho, composto por conselheiros, que avaliará as propostas já apresentadas no texto da Ouvidoria, e transformará algumas em uma Resolução do colegiado – instrumento vinculante – a ser apresentada em sua próxima Reunião, em agosto. O GT será presidido pela conselheira Ima Vieira e composto por um integrante de cada Câmara Temática do Conselho.

Para ler o relatório da Ouvidora clicar aqui

 

Fonte: Conselho Curador EBC

Publicado en: 26/05/2014

VER MÁS

COMPARTIR

TVs e Radios